A Guiana Francesa detem um lugar único no imaginário coletivo metropolitano. Território hostil, mas cobiçado, que ameaçou as primeiras tentativas de colonização… Terra de exílio, onde a República sepultou os indesejáveis, oponentes de todos os cantos, ao final de uma pavorosa viagem sem volta… Entre realidade histórica e narrativa fantasiosa, seria a Guiana Francesa, prisioneira de seu passado?Quando se afastam as imagens dessa história turbulenta, ela não para de intrigar e de preocupar os desavisados, que difundem a alusão de uma selva impenetrável, povoada por animais nocivos. Tarântulas, morcegos, vampiros, sucuris, mosquitos de picada mortal povoam as narrativas horripilantes dos aventureiros despreparados, de volta de sua estada, obrigatoriamente épica, em terra guianesa.

Enfim, um último avatar compara a Guiana Francesa a um novo Faroeste, vulnerável à todos os tráficos. Essa visão, sustentada por algumas reportagens televisivas dirigidas, evidencia práticas, às vezes ilícitas, até mesmo violentas, tais como o garimpo clandestino de ouro.

A sobreposição desses fragmentos contribui para manter um certo fascínio por uma terra decididamente mais fantasiada do que conhecida. Mas ela não é justa com a Guiana Francesa e falha no momento de criar as motivações legítimas para um turismo de descoberta espontâneo e curioso.

Da impressionante quantidade de espécies animais que a Guiana Francesa abriga, apenas uma pequena parte é perigosa para o homem. As Jararacas, essas serpentes tropicais o são no mesmo grau que a víbora das regiões de climas temperados…Já faz mais de meio século que a colônia penal fechou as suas portas, e é chegada a hora de redescobrir as verdadeiras riquezas desse País: a natureza e os homens.

Graças a uma queda desejável do preço das passagens aéreas para a metrópole, a Guiana Francesa poderá tornar-se em breve, mais acessível: é uma sorte para os guianeses e para todos os turistas ávidos por espaços virgens.

“O ecoturismo ou turismo ecológico reune todas as formas de turismo orientadas sobre a natureza e nas quais, a principal motivação do turismo é observar e apreciar a natureza assim como as culturas tradicionais predominantes nas áreas naturais. Ele inclui as comunidades locais e indígenas em sua planificação, seu desenvolvimento e sua exploração e contribui para o seu bem-estar” [Declaração final da Cúpula Mundial do Ecoturismo, 2002].

Seguindo o exemplo da Costa-Rica ou do Suriname, a Guiana Francesa poderia tornar-se um destino atraente para o turismo ecológico, o qual os princípios de eco-responsabilidade pode tornar mais que uma atividade marginal, o verdadeiro motor de uma economia durável.

Antes de partir para a floresta

Como responder ao chamado da floresta, de seus rios, de suas culturas…e desfrutar plenamente dessa experiência única? Você vai entrar em um universo desconhecido, será só você e a natureza ! Bela, imensa, viva, rara, mágica, impressionante, misteriosa…tão próxima e às vezes tão inacessível…
Na Guiana Francesa como em qualquer lugar, os riscos ligados à prática do pedestrianismo (trilha a pé) existem. Mas não esqueça que você estará longe dos postos de resgate e que é difícil contatá-lo. Não corra riscos desnecessários. Para acompanhá-lo nesse encontro com o ambiente Amazônico, você pode consultar: « Le petit guide de la randonnée en Guyane » (O pequeno guia da excursão turística na Guiana Francesa) disponível para download no site www.guides-guyane.com (http://www.guides-guyane.com/telecharger/guide_rando_12_07.PDF ) e disponível em todos os pontos de informação turística.

Guia prático

COMO IR

Duas companhias aéreas oferecem voos diretos para a Guiana Francesa partindo de Paris, Air France e desde dezembro de 2008, a Air Caraïbes.
As conexões aéreas com o Brasil partem das cidade de Macapá e Belem com a companhia brasileira TAF.
Há também voos partindo de Suriname (Paramaribo) com a Surinam Airways (Tel 05 94 29 30 01)

QUANDO IR

Para desfrutar de muito sol é preferível partir na estação seca, de julho a novembro.
Se você deseja curtir o carnaval e de suas festividades, viaje nos meses de janeiro e fevereiro.

TRANSPORTE

O serviço de transporte público entre as cidades guianesas é oferecido pelos taxi-co, mini-ônibus de dez lugares.
Para visitar diversos rios e riachos da Guiana Francesa, nada substitui a piroga ou o barco de alumínio.

ANTES DE PARTIR

A vacina contra a febre amarela é obrigatória. A proteção contra o paludismo pode ser aconselhada em algumas regiões do território como nas margens dos rios.

INTERNET

www.blada.com Um site bastante dinâmico e atualizado com diversos anúncios de particulares.
www.terresdeguyane.fr Um site completo e rico sobre diferentes temáticas ligadas à ecologia na Guiana.