As aranhas não são insetos e sim aracnídeos: elas são dotadas, não apenas de 6 e sim de 8 patas, e são desprovidas de antenas e também de asas. “Menos mal” dirão alguns de vocês, pois eu já ia dizer: elas estão entre os animais de pior reputação. Entretanto na verdade, existem poucas coisas que as condenam que possam justificar as fobias que às vezes elas provocam.

Sim, são animais venenosos e mortais… para os insetos e outras pequenas presas que elas consomem. Os acidentes graves entre os humanos são muito raros em escala mundial enquanto que na Guiana Francesa eles são raríssimos para não dizer inexistentes. As pacíficas árvores quando caem são devastadoras e mais perigosas que esses pequenos bichos! Será que não deveríamos temer muito mais os objetos e comportamentos infinitamente mais perigosos aos quais nos sujeitamos no dia a dia com a maior indiferença?

No final das contas as aranhas são muito úteis. Localmente muito abundantes e grandes consumidoras de insetos, elas regulam a população desses últimos e ajudam a limitar sua proliferação dos indesejáveis e devastadores. E também, esses bichos são fascinantes em muitos aspectos… Para começar, todas elas, sem exceção, produzem pelas suas fiandeiras, seda dotada de propriedades mecânicas (resistência, elasticidade), fazendo qualquer engenheiro morrer de inveja.

A título de exemplo, calculou-se que um (imenso) cabo e 1cm de diâmetro (ou seja, menos espesso que seu dedinho) poderia, se ele existisse, parar um Boeing 747 em pleno voo. Essa seda, produzida na forma de fios muito finos, pode ser utilizada pela aranha em todos os momentos de sua vida, seja para se segurar em caso de quedas, construir um abrigo, fabricar armadilhas, enfaixar suas presas, participar da reprodução, e até mesmo para pequenos «voo »!

Os cientistas só começaram a tentar desvendar os segredos dessa seda e ainda estamos muito longe do sonho de saber sintetizar esse supermaterial em escala industrial. Mas as fiandeiras das aranhas é algo muito elaborado e as aranhas ainda mantêm seu segredo perfeitamente intacto. Tome como a arte de conseguir controlar o balanço pendido na ponta de um fio, ou seja, sem se movimentar em círculos como um espeleólogo qualquer o faria na ponta de sua corda.

Outro motivo de maravilhamento: a construção de armadilhas elaboradas de três diferentes maneiras de acordo com as espécies, tendo como consequência da perfeição geométrica, a teia orbicular. Esse modelo de teia, obra das aranhas ditas epeiras ou orbitelas, e arquétipo da teia de aranha conhecida por todos, não é mais considerada pelos cientistas como a mais evoluída.  Entretanto, sua elegância despojada e sua regularidade continuarão a fascinar tanto pela estética da estrutura como pelas inúmeras dúvidas suscitadas com relação à sua realização.

Bom, depois desse discurso, eu espero ter mudado a sua opinião sobre elas. Que as imagens a seguir possam me ajudara fazê-lo.

PS: Prometa que de hoje em diante você não acusará sistematicamente uma aranha de ter picado você durante o sono. Seja sincero: você tem visto muitas delas circulando pela sua cama?